QUALIDADE FISIOLÓGICA E CRESCIMENTO INICIAL DE SEMENTES DE MILHO RECOBERTAS COM MICRONUTRIENTES

Lizandro Ciciliano Tavares, Sandro de Oliveia, Elisa Souza Lemes, Géri Eduardo Meneghello

Resumo


O uso de sementes de alta qualidade juntamente com produtos que auxiliem o desempenho destas no campo é fundamental para se obter um bom estande inicial. O objetivo do trabalho foi avaliar o efeito do tratamento de sementes de milho com zinco, boro e molibdênio na qualidade das sementes e seu crescimento inicial. Foram utilizadas sementes do milho hibrido AG 9045. As sementes foram tratadas com produto comercial composto por zinco, boro e molibdênio. Os tratamentos foram compostos pelas seguintes doses: 0, 50, 100, 150 e 200 mL 100 kg-1 de sementes. A qualidade fisiológica das sementes tratadas foi avaliada pelos testes de primeira contagem de germinação, germinação e comprimento de plântula. Para o crescimento inicial das plantas foram avaliadas as variáveis altura de planta, área foliar e matéria seca de plantas, sendo que com os dados de área foliar e matérias seca das plantas calculou-se as taxas de crescimento da cultura (TCC), taxa de crescimento relativo (TCR) e taxa assimilatória líquida (TAL), sendo as mesmas mensuradas em períodos (7, 14, 21, 28 e 35 DAE). O tratamento de sementes com zinco, boro e molibdênio não afeta a germinação e o comprimento de parte aérea das sementes de milho. As taxas de crescimento relativo e de assimilação líquida, no último período de avaliação (28-35 DAE) apresentou incremento até a dose de 50 mL 100 kg-1 sementes.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA, M. R.; LUCCA, A. B.; SCAPIM, C. A.; TAKARA, D. M.; PAIOLA, L. A.; SANOS, F. F. 2006. Qualidade fisiológica e produtividade das sementes de milho tratadas com micronutrientes e cultivadas no período de safrinha. Acta Scientiarum Agronomy. Maringa, v. 28, n. 4, p. 535-543.

BAUDET, L; PESKE, T. S. 2006. A logística do tratamento de sementes. Seed News. Pelotas, ano X, n. 1, p. 22-25. Jan/ Fev.

BORKET, C.M. 1989 Micronutrientes na planta. In: BÜLL, L.T.; ROSOLEM, C.A. (Ed.). Interpretação de análise química de solo e planta para fins de adubação. Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais. Botucatu, p. 309-329.

BRASIL. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS, 399 p.

COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO – RS/SC. 2004. Manual de Adubação e de Calagem para os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10° ed. Porto Alegre: NRS/SBCS, 400 p.

DECHEN, A.R. 1988. Micronurientes: funções nas plantas. In: FERREIRA, M.E. (Coord.). Simpósio sobre micronutrientes na agricultura. 1. Jaboticabal. Anais... Jaboticabal: FCAV/Unesp, 1988. p. 111-132.

GALRÃO, E. Z.; MESQUITA FILHO, M. V. 1981 Efeito de fontes de zinco na produção de matéria seca do milho em um solo sob cerrado. Revista Brasileira de Ciência do Solo. Viçosa, v. 5, p. 167-70.

GARDNER, F. P.; PEARCE, R. B.; MITCHELL, R. L. 1985. Physiology of crop plants. Ames: Iowa State University Press. Iowa. 321p.

HUXLEY, P.A. 1967. The effects of artificial shading on some growth characteristics of arabica and robusta coffee seedlings. I. The effects of shading on dry weight, leaf area and derived growth data. Journal of Applied Ecology. Oxford, v.4, n. 2, p.291-308.

LEAL, R. M.; FRANCO, C. F.; BRAGHIROLLI, L. F.; ARTUR, A. G.; SABONARO, D. Z.; BETTINI, M.; PRADO, R. M. 2007. Efeito da aplicação de zinco em sementes sobre a nutrição e a produção de massa seca de plantas de milho. Acta Scientiarum Agronomy. Maringá, v.29, n.4, p.491-496.

LEITE, R. F. C. SCHUCH, L. O. B.; AMARAL, A. S. TAVARES, L. C. 2011. Rendimento e qualidade de sementes de arroz irrigado em função da adubação com boro. Revista Brasileira de Sementes. Londrina, v. 33, n.4, p.785-791.

LOPES, A.S. 1989. Manual de fertilidade do solo. Traduzido por Alfredo Scheid Lopes. São Paulo: ANDA/Fotapos. p. 155.

MACHADO, A. A.; CONCEIÇÃO, A. R. 2003. Sistema de análise estatística para Windows. WinStat. Versão 1.0. Pelotas, UFPel.

MARSCHNER, H. 1995. Mineral nutrition of higher plants. 2.ed. New York, Academic Press. 889 p.

NAKAGAWA, J. 1999. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA NETO, J.B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 2-21p.

NUNES, J.C. 2005. Tratamento de semente - qualidade e fatores que podem afetar a sua performance em laboratório. Syngenta Proteção de Cultivos Ltda. Londrina. 16p.

OHSE, S.; MORODIM, V.; SANTOS, O. S.; LOPEZ, S. J.; MANFRON, P. A. 2000/2001 Germinação e vigor de sementes de arroz irrigado tratadas com zinco, boro e cobre. Revista da Faculdade de Zootecnia Veterinária e Agronomia. Uruguaiana, v. 7-8, n. 1, p. 41-50.

OLIVEIRA, S.; LEMES, E. S.; TAVARES, L.C. VILLELA, F. A. 2013. Tratamento de Sementes: Ferramenta Promissora e Eficiente para o Agricultor, Seed News. Pelotas, ano XVII, n 2, p 8-11, Mar/Abr.

PESSOA, A. C. S.; LUCHESE, E. B.; LUCHESE, A.V. 2000. Germinação e desenvolvimento inicial de plantas de milho em resposta ao tratamento de sementes com boro. Revista Brasileira de Ciência do solo. Viçosa, v.24, p.939-945.

PRADO, R.M.; NATALE, W.; MOURO, M.C. 2007. Fontes de zinco aplicado via semente na nutrição e crescimento inicial do milho cv. Fort. Bioscience Journal. Uberlândia, v.23, n.2, p.16-24.

PRADO, R. M.; ROMUALDO, L. M.; ROZANE, D. E.; VIDAL, A. A.; MARCELO, A. V. 2008. Modos de aplicação de zinco na nutrição e na produção de matéria seca do milho BRS 1001. Bioscience Journal. Uberlândia, v. 24, n. 1, p. 67-74, Jan./Mar.

RIBEIRO, N.D.; SANTOS, O.S. dos; MENEZES, N.L. 1994. Efeito do tratamento com fontes de zinco e boro na germinação e vigor de sementes de milho. Scientia Agricola. Piracicaba, v.51, p.481-485.

SANTOS, O.S. dos; RIBEIRO, N.D. 1994. Fontes de zinco aplicadas em sementes de milho, em solução nutritiva. Ciência Rural. Santa Maria, v.24, p.59-62.

SILVA, T. T. A.; PINHO, E. V. R. V.; CARDOSO, D. L.; FERREIRA, C. A.; ALVIM, P. O.; COSTA, A. A. F. 2008. Qualidade fisiológica de sementes de milho na presença de bioestimulantes. Ciência e Agrotecnologia. Lavras, v. 32, n. 3, p. 840-846.

STASINSKI, R.; OZELAME, A. L.; DURIGON, M. A. 2013. Mercado de Grãos, Seed News, Pelotas, ano XVII, n 2, p 36 -39, Março/Abril.

STRECK, E.V.; KAMPF, N.; DALMOLIN, R. S.; KLAMP, E.; NASCIMENTO, P. C.; SCHINAIDER, P.; GIASSON, E.; PINTO, L. F. S 2008. Solos do Rio Grande do Sul. 2.ed. Porto Alegre, EMATER/RS-ASCAR, 222p.

TAVARES, L. C.; RUFINO, C. A.; BRUNES, A. P.; FRIEDRICH, F. F.; BARROS, A. C. S. A.; VILLELA, F. A. 2013. Physiological performance of wheat seeds coated with micronutrientes. Journal of Seed Science. Londrina, v.35, n.1, p.28-34.

TUNES, L. M.; PEDROSO, D. C.; TAVARES, L. C.; BARBIERI, A. P. P.; BARROS, A. C. S. A.; MUNIZ, M. F. B. 2012. Tratamento de sementes de trigo com zinco: armazenabilidade, componentes do rendimento e teor do elemento nas sementes. Ciência Rural. Santa Maria, v.42, n.7, p.1141-1146.

USDA. 2013. United States Department of Agriculture. Disponível em: http: www.usdabrazil.org.br. Acesso em 17 de fevereiro de 2013.




DOI: https://doi.org/10.37856/bja.v90i2.129

Apontamentos

  • Não há apontamentos.