SUPERAÇÃO DE DORMÊNCIA DE SEMENTES DE Capsicum baccatum var. pendulum (PIMENTA DEDO-DE-MOÇA)

Afonso Zucolotto Venturin, José Carlos Lopes, Pedro Ramon Manhone, Rafael Fonseca Zanotti, Sara de Oliveira Carvalho

Resumo


Objetivou-se avaliar o efeito de tratamentos químicos na superação da dormência de sementes de Capsicum baccatum var. pendulum. Os tratamentos utilizados foram: T1- água destilada; T2- Imersão em solução de citrato de sildenafila; T3- Imersão em solução de GA3; T4- Imersão em solução de SNP; T5- Imersão em solução de KNO3; T6- Imersão em solução de HNO3. O tratamento T3 apresentou médias superiores aos demais tratamentos. Sementes tratadas com GA3 apresentaram maior vigor. Temperaturas de 30 e 20-30°C as sementes externaram melhor seu vigor apresentando maior massa fresca, massa seca, comprimento da parte aérea e comprimento de raiz.


Texto completo:

PDF

Referências


ALI-RACHEDI, S.; BOUINOT, D.; WAGNER, M.; BONNET, M.; SOTTA, B.; GRAPPIN, P.; JULLIEN, M. 2004. Changes in endogenous abscisic acid levels during dormancy release and maintenance of mature seeds: studies with the Cape Verde Islands ecotype, the dormant model of Arabidopsis thaliana. Planta, Berlin, v. 219, n. 3, p. 479–488.

BEWLEY, J. D. 1997. Seed germination and dormancy. Plant Cell, Waterbury, v. 9, n. 7, p. 1055–1066.

BIAS, A. L. F.; TILLMANN, M. A. A.; VILLELA, F. A.; ZIMMER, G. J. 1999. Métodos para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de feijão vigna. Scientia Agrícola, Piracicaba, v. 56, n. 3, p. 651-660.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. 2009. Regras para análise de sementes. Brasília, DF: MAPA/ ACS. 390 p.

CARRERA, E.; HOLMAN, T.; MEDHURST, A.; DIETRICH, D.; FOOTITT, S.; THEODOULOU, F. L.; M. J. HOLDSWORTH. 2008. Seed after-ripening is a discrete developmental pathway associated with specific gene networks in Arabidopsis. The Plant Journal, Oxford, v. 53, n. 2, p. 214–224.

CARNEIRO, G. G.; BARBOSA, J. A.; SILVA, E. O.; GOIS, G. C.; LUCENA, H. H.; ALVES, E. U. 2010. Germinação de pimentas cambuci submetidas à superação de dormência em água quente. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 26, n. 6, p. 882-885.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. 2012. Sementes: ciência, tecnologia e produção. Jaboticabal: FUNEP. 590p.

CARVALHO, S. I. C.; RIBEIRO, C. S. C; HENZ, G. P.; REIFSCHNEIDER, F. J. B. 2009. 'BRS Mari': nova cultivar de pimenta dedo-de-moça para processamento. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 27, n. 4, p. 571-573.

CHANDRA, A.; ANAND, A.; DUBEY, A. 2007. Effect of salicylic acid on morphological and biochemical attributes in cowpea. Journal of Environmental Biology, Lucknow, v. 28, n. 2, p. 193–196.

COSTA, F. P.; MARTINS, L. D.; LOPES, J. C. 2010. Frequência de germinação de sementes de crambe (Crambe abyssinica Hochst.) sob influência de tratamentos pré-germinativos e de temperaturas. Nucleus, Ituverava, v.7, n. 2, p 185-193.

FERREIRA, G.; OLIVEIRA, A.; RODRIGUES, J. D.; DIAS, G. B.; DETONI, A. M.; TESSER, S. M.; ANTUNES, A. M. 2005. Efeito de arilo na germinação de sementes de Passiflora alata Curtis em diferentes substratos e submetidas a tratamentos com giberelina. Revista Brasileira de Fruticultura. Jaboticabal, v. 27, n. 2, p. 277-280.

FILGUEIRA, F. A. R. 2008. Novo manual de olericultura. Viçosa-MG: UFV.

FINCH-SAVAGE W. E.; LEUBNER-METZGER G. 2006. Seed dormancy and the control of germination.New Phytologist, Lancaster, v. 171, n. 3, p. 501–523.

HOLDSWORTH, M. J. BENTSINK, L.; WIM J. J. SOPPE. 2008. Molecular networks regulating Arabidopsis seed maturation, after ripening, dormancy and germination. New Phytologist, Oxford, v. 179, n. 1, p. 33–54.

KRUPPA, P. C.; RUSSOMANNO, O. M. R. 2011. Fungos em plantas medicinais, aromáticas e condimentares – solo e semente. Biológico, São Paulo, v. 73, n. 1, p. 33-38.

LARCHER, W. 2000. Ecofisiologia Vegetal. São Carlos: RiMa Artes e Textos, 531p.

LOPES, H. M.; SOUZA, C. M. 2008. Efeitos da giberelina e da secagem no condicionamento osmótico sobre a viabilidade e o vigor de sementes de mamão (Carica papaya L.). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 30, n. 1, p. 181-189.

MAGUIRE, J. D. 1962. Speed of germination-aid in selection and evolution for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 2, p. 176-177.

MARCOS FILHO J. 2005. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ. 495p.

PHILLIPS, N.; DROST, D.; VARGA, W. 2003. Chemical treatments enhance seed germination in Perideridia gairdneri. Acta Horticulturae, Leuven, n. 618, p. 477-482.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. 2011. R: A language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing.

RAMAIH, S.; GUEDIRA, M.; PAULSEN, G. M. 2003. Relationship of indoleacetic acid and tryptophan to dormancy and preharvest sprouting of wheat. Functional Plant Biology, Collingwood, v. 30, n. 9, p. 939–945.

REIFSCHNEIDER, F. J. B. 2000. Capsicum: Pimentas e Pimentões no Brasil. Brasília, DF: EMBRAPA Comunicação para Transferência de Tecnologia/ EMBRAPA Hortaliças. 133p.

ROGIS, C.; GIBSON, L. R.; KNAPP, A. D.; HORTON, R. 2004. Enhancing germination of eastern gama grass seed with stratification and gibberelic acid. Crop Science, Madison, v. 44, n. 2, p. 549-552.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. 2013. Fisiologia vegetal. Porto Alegre: Artmed. 719p.

ZHOU, L.; Jang, J.; Jones, T. L.; Sheen, J. 1998. Glucose and ethylene signal transduction crosstalk revealed by an Arabidopsis glucose-insensitive mutant. Plant Biology, Washington v. 95, n. 17, p.10294–10299.




DOI: https://doi.org/10.37856/bja.v89i2.44

Apontamentos

  • Não há apontamentos.